Aula Aberta "Cidade e Cinema: Uma relação projetada" com Humberto Kzure-Cerquera

 
Captura de ecrã 2019-06-25, às 11.46.47.png


AULA ABERTA | DEBATES ARQUITETURA, ARTE, IMAGEM (AAI) “CIDADE E CINEMA: UMA RELAÇÃO PROJETADA“ COM HUMBERTO KZURE-CERQUERA

Realizou-se no passado dia 21 de junho na Casa Comum da Reitoria da U. Porto mais uma sessão do ciclo Debates AAI intitulado “Cidade e Cinema: Uma Relação Projetada”. Esta sessão foi inserida no seu programa cultural de aulas abertas à comunidade, está integrada na unidade curricular de Comunicação, Fotografia e Multimédia (CFM) do 4º e 5º ano e CAAD do 3ºano da FAUP, e contou com a presença de Humberto Kzure-Cerquera, arquiteto e urbanista. A aula aberta foi introduzida por Pedro Leão Neto, coordenador do projeto Visual Spaces of Change, que também moderou o debate que se seguiu à aula aberta.


”A relação entre a cidade e o cinema, a partir de uma dimensão sóciocultural, possibilita inúmeras reflexões e diferentes percepções sobre os elementos da forma e dos modos de vida urbana. Tanto arquitetos quanto realizadores cinematográficos, através dos fundamentos da fotografia ou das imagens fílmicas, por exemplo, desenvolvem um olhar particular, uma seleção e um filtro capaz de modificar a visão comum dos lugares e das coisas, ao mesmo tempo em que possibilita ou induz outros olhares e outras ponderações sobre o urbano. Neste sentido, identificar e analisar os focos das representações cinematográficas do espaço urbano, que os próprios filmes revelam, ajudam a construir e reforçar culturalmente a natureza dinâmica e contraditória da cidade contemporânea - seu caráter complexo e heterogêneo, repleto de valor simbólico, identidade e memória. As imagens fílmicas constituem, portanto, suporte e documento que permitem discutir as representações visuais do urbano e correlacioná-las com a percepção individual e/ou coletiva. Apesar de o cinema estar próximo da experiência do espaço e do tempo “real”, é representação inspirada e enviesada por ideologias e sentimentos do público e dos seus realizadores. Afinal, para os indivíduos do meio urbano, com acesso mais frequente aos filmes, eque possuem a cidade “real” como elemento comparativo, a cidade de cada filme se interliga com outros espaços vividos, simulados ou percebidos por cada um, inclusive por arquitetos e urbanistas. A discussão sobre cidade e cinema tem-se mostrado, assim, um campo fértil para a construção de uma matriz teórica e conceitual acerca de inúmeros fenômenos urbanos que se manifestam na sociedade vigente. Sobre isso, muitos investigadores têm dedicado esforços para extrair das películas significados que surgem antes da própria materialização de imagens. Como matéria da estética e da ética, a representação cinematográfica é, como afirma Jacques Aumont (2004), uma “semiologia da realidade” na qual está inscrita a cidade. Diante desse contexto, o indivíduo que experimenta a vida urbana desenvolve ao longo da sua existência uma percepção particular, às vezes intuitiva, às vezes reflexiva, mas sempre subjetiva sobre o território que o circunscreve no tempo e no espaço. Essa condição humana, acompanhada de múltiplos significados e de variadas interpretações, pressupõe que toda e qualquer manifestação da cultura implica na existência de “lugares reconhecíveis” impregnados em sua materialidade por representações. Uma pintura, uma fotografia ou um filme são, entre tantos, veículos que aguçam o imaginário humano. São, por assim dizer, instrumentos capazes de codificar ou subverter meandros contidos na experiência visual do sujeito.” - Humberto Kzure-Cerquera

A Entrada é gratuita.


Enquadramento
A organização destes debates é da responsabilidade da organização do Centro de Comunicação e Representação Espacial (CCRE / CEAU / FAUP) e o Laboratório de Arquitectura, Arte, Imagem e Inovação (AAi2 Lab), no âmbito do projecto VSC. 
O grupo de investigação CCRE – Centro de Comunicação e Representação Espacial – tem desenvolvido uma série de actividades de índole pedagógica, documental e de investigação relacionando Arquitectura e Arte.
O objectivo geral destas actividades tem sido o de promover uma ampla reflexão sobre o contributo das imagens na compreensão da realidade e na construção de imaginários, entre o documento e a ficção, entre a reprodução e a manipulação, entre o analógico e o digital.
Estas actividades têm vindo a integrar diversas acções ligadas ao universo da imagem contemporânea, mais especificamente à fotografia, permitindo também a participação de grupos e cidadãos exteriores à academia, abrindo desta forma as universidades à sociedade civil e a outras instituições.
No universo da Imagem, a Fotografia é objecto de particular interesse, sendo explorada e analisada de forma crítica como um instrumento de registo e investigação numa perspectiva Inquisitiva, Curatorial e Comunicativa. O espaço privilegiado para esse registo e investigação fotográfica é o da Arquitectura, entendida como um universo amplo que integra simultaneamente os níveis macro e micro da transformação do Território e da Cidade e as suas múltiplas Vivências. 
Com o apoio institucional da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), da Reitoria da U. Porto e da scopio Editions, este 2º Ciclo de debates AAI – Arquitectura, Arte e Imagem estará muito ligado à exploração da fotografia como instrumento de reflexão sobre a transformação do espaço público. 


Biografias
Humberto Kzure-Cerquera é Arquiteto e Urbanista, Mestre em Planejamento Urbano e Regional pelo IPPUR/UFRJ, Doutor em Urbanismo pelo PROURB/FAU/UFRJ e BAUHAUS Universität Weimar e Professor dessas áreas do conhecimento no Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
Atualmente, desenvolve um pós-doutoramento em três universidades europeias: Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo – CEAU | Faculdade de Arquitectura – Universidade do Porto – FAUP | Portugal, com o Prof. Álvaro Domingues, no Centre de Recherches em Histoire Internationationale et Atlantique - CRHIA, Université de La Rochelle, com o Prof. Laurent Vidale Interdisciplinary Centre for Urban Culture and Public Space, Faculty of Architecture and Spatial Planning – Technische Universität Wien, com a Profa.Sabine Knierbein.
Além de trabalhos acadêmicos, é detentor de prêmios e distinções, tais como: Morar Carioca; Prêmio CAIXA de Habitação Social; Ruas da Cidade - Belo Horizonte; Revitalização do Centro Histórico de Cuiabá/MT - 2000; Projeto de Estruturação Urbana para a XVIII Região Administrativa do Rio de Janeiro; Favela-Bairro; Urbanização da Área Central de Goiânia; Prêmio Contribuição para a Arquitetura Brasileira para a Sede da Procuradoria Regional da República - IAB/RS; Corredor Ecológico, Turístico e Cultural Barão de Mauá - IAB/RJ; Revitalização do Centro Histórico de Sumaré/SP; Projeto Urbanístico para a região do Largo da Batata - IAB/SP; Circo Voador – IAB/RJ.
Foi consultor dos EIA/RIMA (Ordenamento Territorial para Comunidades Tradicionais) em áreas próximas às hidrelétricas do Rio Kwanza – Angola e em Belo Monte no Médio Rio Xingu – Pará | Brasil.
Expôs na Bienal de Veneza em 2002, na Mostra Internacional Rio Arquitetura e, por três vezes, na Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, além de ter recebido Menção Honrosa na Bienal de Lima – Peru, em 2004.
Além dessas atividades, possui formação profissional em Cinema, Fotografia, Teatro e Cenografia. Com a cineasta portuguesa Teresa Prata está produzindo o documentário “A Cidade de Portas”, sobre a cidade como fronteira do pensamento do Prof- Arquiteto e Urbanista Nuno Portas.

Pedro Leão Neto (CCRE, AAI2 Lab)
Arquitecto pela FAUP (1992) onde actualmente é regente de Comunicação, Fotografia e Multimédia do 2º ciclo, é coordenador do grupo de investigação CCRE, integrado no centro de I&D da FAUP, coordenador do AAI 2 Lab integrado no Centro de Competências da Universidade do Porto para a área dos media U.Porto Media Innovation Labs (MIL) e Director da Associação Cultural Cityscopio (ACC). É Editor e coordenador responsável das publicações da scopio Editions desde 2010, cujo enfoque é o da fotografia documental e artística relacionada com Arquitectura, Cidade e Território.

 

Fotofestiwal 2019: 18th International Festival of Photography

 

Fotofestiwal 2019: 18th International Festival of Photography

PHOTO-MATCH – completely different portfolio review
2019 13-30.06.2019. Lodz, Poland.

The Fotofestiwal 2019 takes place between the 13th and 30th of June in Lodz, Poland.
On its 18th edition (13-30 June) the festival encourages you to delve into the supernatural aspects of existence and reality, as well as into the speculative and hypothetical phenomena that defy explanation based on the purely empirical evidence. What does the supernatural stand for? How can we make sense of reality while departing from the scientifically validated knowledge and senses?

Fotofestiwal has already positioned itself as one of the great european photography festivals. Established in 2001 as one of the first photography events in Poland, it was a spontaneous initiative of the students and lecturers of the Sociology Department of the University of Warsaw. Since then, Fotofestiwal remains a space for presenting various forms and types of photography, a forum for discussion about art and society, a motivation to search for alternative methods of discussing and exhibiting photography. But first of all, invariably, it is a place where people meet, with great adherence by the general public and photographers alike as well as promoting several events and initiatives, such as the Grand Prix, that gives photographers an opportunity to present their works during Fotofestiwal.

Pedro Leão Neto (coordinator of scopio Editions) participated as a reviewer in the Photo-Match event, that adopts a new model for portfolio review which breeds new life into the outdated format of portfolio reviews, by placing a special emphasis on the series of open networking events, public presentations and an equal status granted to the curators as well as artists.

The list of reviewers included magazine editors, book publishers, photography festival directors, independent curators, gallery owners, art consultants and coordinators of exhibitions in some of the most prestigious museums in the world.

Fotofestiwal 2019

 

Apresentação e Visita Guiada com Curador e Autores: Visual Spaces of Change / Ci.CLO 2019 - Estação de Metro dos Aliados

 

Apresentação e Visita Guiada com Curador e Autores: Visual Spaces of Change / Ci.CLO 2019 - Estação de Metro dos Aliados

No passado dia 18 de Junho, teve lugar pelas 18h30 a apresentação das exposições Visual Spaces of Change enquadradas na programação do Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019. Esta apresentação tomou a forma de uma visita guiada na Estação de Metro da Avenida dos Aliados, com uma apresentação individual de cada um dos projectos por parte dos autores e do seu curador, Pedro Leão Neto. Até dia 2 de julho encontram-se nas Estações de Metro dos Aliados e de São Bento, na Biblioteca Almeida Garrett e na OASRN um conjunto de projectos de Fotografia Contemporânea com particular enfoque nas temáticas da Arquitectura, Cidade e Território, comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia.

Estas exposições contam com a curadoria de Pedro Leão Neto, resulta da vontade de colaboração entre o projecto Visual Spaces of Change (VSC) e o Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019, tendo em vista o estímulo do pensamento crítico sobre as temáticas da Arquitectura, Cidade e Território através da realização de exposições de Fotografia Contemporânea em espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto.

Encontram-se também abertas as inscrições para visitas guiadas pelos autores dos projectos de fotografia integrados nas exposições do Visual Spaces of Change / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019.

As visitas guiadas serão agendadas com um mínimo de 4 pessoas e um máximo de 20, sempre a partir das 18 horas e nos seguintes dias até ao término das exposições:

  • Sábado - 22 Junho 18h (OASRN) Apresentação e Visita Guiada / Sofia F. Augusto e Sérgio Rolando

  • Terça-feira - 25 Junho 18h (Estações de Metro do Porto da Avenida dos Aliados e de São Bento) Apresentação e Visita Guiada / Edu Silva e Ana Miriam

  • Quarta-feira - 26 Junho 18h (OASRN) Apresentação e Visita Guiada / Sofia F. Augusto e Hélder Sousa

  • Segunda-feira - 1 Julho 18h (Estações de Metro do Porto da Avenida dos Aliados e de São Bento) Apresentação e Visita Guiada / Edu Silva e Ana Miriam

Os interessados em participar em uma ou mais visitas guiadas podem efectuar a sua inscrição no seguinte link: https://docs.google.com/forms/d/1v3MBhuqxnlioWK8MSg___iuKHycqKXkZVU0btHbCGiw

O Ci.CLO 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info:https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

Visitas Guiadas com Autores: Visual Spaces of Change / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019: Estações de Metro da Avenida dos Aliados e S. Bento, Biblioteca Almeida Garrett, OASRN

 
DSCF6227.jpg

Visita Guiadas com Autores: Visual Spaces of Change /
Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019: Estações de Metro da Avenida dos Aliados e São Bento, Biblioteca Almeida Garrett, OASRN

Estão abertas as inscrições para visitas guiadas pelos autores dos projectos de fotografia integrados nas exposições do Visual Spaces of Change / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019.

As visitas guiadas serão agendadas com um mínimo de 4 pessoas e um máximo de 20, sempre a partir das 18 horas e nos seguintes dias até ao término do Ci.CLO 2019:

  • Sábado - 22 Junho 18h (OASRN) Apresentação e Visita Guiada / Sofia F. Augusto e Sérgio Rolando

  • Terça-feira - 25 Junho 18h (Estações de Metro do Porto da Avenida dos Aliados e de São Bento) Apresentação e Visita Guiada / Edu Silva e Ana Miriam

  • Quarta-feira - 26 Junho 18h (OASRN) Apresentação e Visita Guiada / Sofia F. Augusto e Hélder Sousa

  • Segunda-feira - 1 Julho 18h (Estações de Metro do Porto da Avenida dos Aliados e de São Bento) Apresentação e Visita Guiada / Edu Silva e Ana Miriam

Os interessados em participar em uma ou mais visitas guiadas podem efectuar a sua inscrição no seguinte link: https://docs.google.com/forms/d/1v3MBhuqxnlioWK8MSg___iuKHycqKXkZVU0btHbCGiw

Neste momento já se encontram em exibição nas estações de Metro do Porto da Avenida dos Aliados e de São Bento, na OARSN e na Biblioteca Almeida Garrett um conjunto de projectos de Fotografia Contemporânea com particular enfoque nas temáticas da Arquitectura, Cidade e Território, comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia.

Estas exposições que contam com a curadoria de Pedro Leão Neto resultam da vontade de colaboração entre o projecto Visual Spaces of Change (VSC) e o Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019, tendo em vista o estímulo do pensamento crítico sobre as temáticas da Arquitectura, Cidade e Território através da realização de exposições de Fotografia Contemporânea em espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto.

O Visual Spaces of Change (VSC), projeto de investigação transdisciplinar com uma componente significativa da Fotografia Contemporânea, combinada com pesquisa complementar em Sintaxe Espacial e Tecnologias da Informação, marcará presença no Ci.Clo 2019.

A colaboração entre o VSC e o Ci.CLO concretiza-se através da operacionalização de um projeto curatorial associado a um conjunto de atividades que cruzam os universos da fotografia e editorial em duas vertentes complementares: (i) Exibição de projectos de Fotografia Contemporânea (CPP) comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia em diversos espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto (AMP), e (ii) Mostra de publicações alternativas para a divulgação de autores e obras com particular enfoque na Fotografia de Arquitectura, Cidade e Território.

O Ci.CLO 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info:https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

Apresentação e Visita Guiada com Curador e Autores: Visual Spaces of Change / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019 - Estações de Metro da Avenida dos Aliados e S. Bento

 
DSCF6284.jpg

Apresentação e Visita Guiada com Curador e Autores: Visual Spaces of Change / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019 - Estações de Metro da Avenida dos Aliados e S. Bento

No próximo dia 18 de Junho pelas 18h terá lugar o início da apresentação e visita guiada na Estação de Metro da Avenida dos Aliados. Neste momento já se encontram em exibição nas estações de Metro do Porto da Avenida dos Aliados e de São Bento um conjunto de projectos de Fotografia Contemporânea com particular enfoque nas temáticas da Arquitectura, Cidade e Território, comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia.

Esta exposição, que conta com a curadoria de Pedro Leão Neto, resulta da vontade de colaboração entre o projecto Visual Spaces of Change (VSC) e o Ci.Clo Bienal Fotografia do Porto 2019, tendo em vista o estímulo do pensamento crítico sobre as temáticas da Arquitectura, Cidade e Território através da realização de exposições de Fotografia Contemporânea em espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto.

O Visual Spaces of Change (VSC), projeto de investigação transdisciplinar com uma componente significativa da Fotografia Contemporânea, combinada com pesquisa complementar em Sintaxe Espacial e Tecnologias da Informação, marcará presença no Ci.Clo 2019.

A colaboração entre o VSC e o Ci.Clo concretiza-se através da operacionalização de um projeto curatorial associado a um conjunto de atividades que cruzam os universos da fotografia e editorial em duas vertentes complementares: (i) Exibição de projectos de Fotografia Contemporânea (CPP) comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia em diversos espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto (AMP), e (ii) Mostra de publicações alternativas para a divulgação de autores e obras com particular enfoque na Fotografia de Arquitectura, Cidade e Território.

O Ci.Clo 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info:https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

A sausage has two ends. Dieter Hammer in conversation with Bastien Rousseau

 
 

A sausage has two ends. Dieter Hammer in conversation with Bastien Rousseau


Dieter Hammer (Munich, 1969) is an artist, philosopher, kendoist and archer currently living in Bavaria, Germany.
The following interview discusses the affective semiotic potency of Architecture Photography in an era of sign-consumption and its ability to bring awareness and possibly any change into people’s daily life. It was conducted through emails and then edited in order to enrich and smoothen your reading experience.

-

Bastien Rousseau: Considering that humans' cerebral plasticity could be evolving towards a higher visual sensitivity in a digital world of image and sign consumption, do you foresee how Photography still could be potent amongst such a white noise?

Dieter Hammer: Would not it be rather that the human brain gets saturated with awhite noise of digitally accessed images?

Bastien Rousseau: Apparently, as a result of this tremendous intake of sign-images and visual information of all sorts and specially through the use of screens, our neural plasticity to 'whirl-downgrade' to a more reptilian version where most activity locates itself in the lower rear cortex. In the context we are describing here, one may wonder what Photography still has to offer...

Dieter Hammer: This is fun. I would not see it so dramatically though. The human brain is well able to filter out irrelevant information. It would not be possible for us to survive otherwise. Reducing complexity is a common way of dealing with it. Most people that I know are still fine... ! Of course, Photography may help (re)framing and alleviate complexity so that it may improve their ability and will to cope with it.

Bastien Rousseau: I remember you telling me that you once were a painter. How did you start working with photography then?

Dieter Hammer: At the time I was painting, I remember that I did not really like photography. I always felt that the camera prevented me from experiencing the present moment. With painting, I was into creating. Photography was for me only about recording. It actually was way more restricted when I grew up than it is today with the digital.
I started to experiment with digital photography in the mid-nineties. However, most of my early serious photographic work was based on analog film. I chose analog photography over digital exactly because of its restrictions. It did provide the resistance I needed to creatively ‘maneuver around’ and find new ways of approaching photography. My goal had become to make a photograph rather than simply take one.
In this regard, a decisive event occurred in 2011 when I forgot to rewind the film roll and opened the camera by mistake. Thus, light leaked in and overcast parts of the recorded images. This led path to further researching the ontology of the image through a ‘transmimetic’ understanding of photography.

Bastien Rousseau: I understand that when photo particles get inside the camera and interact with the film, something similar to what you would like to happen when you are ‘taking’ a photograph with the intention to do so through the lens of your camera does happen with no intention of yours: it just does. This event not only cancels any possible sense of truthful ‘representation’ of what has been captured thus but also makes one aware of the physical actuality of light as a constitutive and overwhelming element of one’s everyday.
Funny it is to consider (shooting/capturing) directions when thinking of analog photography: could the photographs you had taken that day be Cubist-like to some extent, sharing different perspectives flattened on a single plate?

Dieter Hammer: It is interesting that you mention Cubism in this context. Indeed, Picasso used photography as a source of inspiration. What happens when someone sat pausing moved while being shot was known to him. Film was slow at that time, and exposures used to take quite some time. Eadweard Muybridge’s photographic studies of motion were pretty well known. Anton Giulio Bragaglia’s Photodynamism is worth mentioning here too. Well, it is something rather inherent to Photography and I guess that Cubists simply drew inspiration from it. It is an aspect of Photography that has been forgotten while striving to improve the mimetic performance of photographic apparatuses. That is one of the reasons why I was pondering on its ‘employment’ in various multiple ways; not so much with Cubism in mind, but pondering the question: is there more to Photography?

Bastien Rousseau: In 2014, you have been involved in an event titled Positionen der Aktuellen Architekturfotografie. Could you tell us about it?

Dieter Hammer: Sure, it was an exhibition about current trends in Architecture Photography curated by Dr. Barbara Wolf at the Architecture Museum of Swabia in Augsburg. My contribution was a a series of ten minute-long ‘exposures’ of the village of Seysdorf’s architectural structures which I took in a cold winter night. A long exposure records light emissions that come and go during its process. What is otherwise sequential in film can be seen compressed in a single photograph. You can see the buildings and everything that emitted light as traces of life inside and around the architectural structures.

Bastien Rousseau: I should be curious to know what may be so crucial about Architecture Photography. Could the point be showing the pictures so that people may become aware of something, in general or in particular? Could there be more to it, in public space for instance?

Dieter Hammer: The challenge in Architecture Photography would be to get the proportions right. Therefore you need a view camera. My approach was the exception, maybe because I did not have Architecture Photography in mind when I took those photographs! I guess you could say that there are two main approaches towards it. One is strictly representative: Architects need good documentation of their work to share it through different media. The other one seeks to incorporate architectural structures into a creative concept. Of course, it could also be a mixture of both approaches. The exhibition was about juxtaposing a given variety of methodologies, dealing with architecture in different ways, from formalistic to conceptual.

Bastien Rousseau: Perhaps you could tell us about the scenography of that exhibition and whether curatorial issues were discussed with the exhibiting artists beforehand.

Dieter Hammer: Curatorially speaking, it mainly was a question of choosing photographers with different methodologies and whom had been known to the museum and arrange ‘samples’ of their work across its rooms. Each of the exhibited photographers wrote a text explaining their work relationship with architecture. Dr. Wolf made her selection of works based on personal criteria together with the photographers. I did appreciate that very much.
Long before the exhibition, we had been discussing one of Julius Shulman’s photographic series on architect Richard Neutra’s Kaufman House (Palm Springs, 1947). My Seysdorf series was partially inspired by this particular work of his. In Shulman’s, I particularly like that he often places people around or inside the buildings he means to photograph. Thereby, he sets a contraposto to the dominant functionalist approach embraced by his peers.
Architecture is a journey, not a destination: it serves life with a purpose. It is not an end in itself. In my Seysdorf series, the human presence was enacted by light trails caused by domestic human activity while the human figure was rendered invisible. I think, these traces of life are important.

Bastien Rousseau: Why did you choose to expose your film during 10 minutes?

Dieter Hammer: Around 2011, I used to experiment a lot with analog film photography. In this series, I was going for the particular atmosphere which a longer exposure happens to create. You get subtle motion blur around the static elements, upsetting light emitted by objects, like cars, and let them behave as hazardous light painting devices. People turn on and off light in their houses, etc. I chose a few very cold winter nights when temperatures went down to -10°C. I read articles on long exposure photography and came across photographers like Eugène Atget and his Paris series, Todd Hido’s ‘house hunting’ series, Michael Kenna’s long time night exposures and of course Julius Shulman’s dramatic shot of the Kaufman House in Palm Springs. On the account of what I had read then, I thought that ten minutes should be working fine. I shot at f11 with a hyperfocal setting using medium format film cameras.

Bastien Rousseau: This was before The Cosmic Artisan exhibition in London (Siegfried Contemporary, 2013) and the reflection that came alongside, on photographs being neither solely mimetic nor non-mimetic but potentially both depending on the scale one considers them: quantum, atomic, molecular, pictorial. How did this comprehension of theimage's ontology change your approach towards photography?

Dieter Hammer: You are right... A sausage has two ends, yet there is a sausage in between.
My approach towards Photography is a holistic one, where the exhibiting apparatus is as important as the end photograph’s content. For example, the edges or the frame (if so) of a printed photograph necessarily affect the viewer when s.he enters in relation with it. I like to consider such kind of ‘detail’ to create circumstantiated aesthetic experiences. Actually, this has allowed me to no longer stick to the use of photography to create those experiences. It has been a few years now that I am using a performative mode to convey similar notions, such as Duchamp’s ‘inframince’ and Photography’s necessary ‘transmimetic’ nature.

Bastien Rousseau: It sounds as if art making would have to be a matter of conscious and deliberate experience crafting, which entails that one's focus should be on the actual experience of a given group of people rather than on aesthetic production. I sense that there may be a way one could reduce the level of contingency at play, possibly by mapping out combinations of affects with multi-sensorial (aesthetic) elements... In other words, if our direct environment constantly is affecting us and our decisions and ways of handling it, life is the ultimate aesthetic experience.
Thus, as art making is rather about hacking the actual by introducing other, or (in quantum terms) ‘new’, information to actual configurations and face people with such alternatives, however much less in conceptual terms and certainly more in terms of affective semiotics. I guess Digital Marketing and Marketing Research already are a few steps ahead on this. The art world's hypocritical inherited leftist moralistic refusal to take on the enemy's tools, no matter potent or not, prevents it from effectively change our world's harmful habits.

Dieter Hammer: I pretty much like ‘conscious and deliberate experience crafting’! Indeed, art is a matter of life and certainly is not alien to it. As a matter of fact, do you rememberit, the brief, intense movement I used to perform with my hand to call for one’s attention on those scales of perception, through imagination? I performed it to artist Kentaro Yamada on Siegfried Contemporary showroom’s coffee table. He asked me for how long I had been practicing Kendo (Japanese sword fighting) because of the intense energy he could sense in my hand.

Photographs © Dieter Hammer
first image: installation view, Forest near Seysdorf, 2014
in Mulligan Stew, curated by Bastien Rousseau,
5UN7, Bordeaux, 2014
next four: Seysdorf series, 2011
last image: installation view, Image Generator, 2013
and Laserluminogramme, 2012
in Lumen - Amen, Transformationen des Lichts,
curated by Dr. Benjamin Kummer and Katja Böhlau,
Friedhofsmuseum, Berlin, 2016

Hammer’s work currently focuses on the mediation of Beauty and Meaning through Installation, Performance and Photography.
For more information, please visit www.beyondwhitenoise.de

Bastien Rousseau is a cosmic artisan based in Tours, France whose current work and research focus on everyday situations as a non-finite semiological affective experience.

 

Lançamento do Livro "Um Outro Olhar Sobre Obras de Álvaro Siza Vieira" na OASRN / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

 

Lançamento do Livro "Um outro olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira" na OASRN / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

Enquadrado na programação do Visual Spaces of Change no Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019, foi ontem lançado na sede da OASRN o livro Um outro olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira.

A abertura da sessão de discussão da obra esteve a cargo de Cláudia Costa Santos, Presidente do Conselho Directivo Regional Norte da Ordem dos Arquitectos e o livro foi apresentado por Jorge Figueira, Professor Associado do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e José Maças de Carvalho, Professor Auxiliar do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia e do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, orientadores do trabalho de pós-doutoramento que deu origem ao livro de Pedro Leão Neto, Professor Auxiliar na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. O autor explicou o enquadramento do livro Um outro olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira no projecto Visual Spaces of Change e no Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019, abrindo a mesa para uma conversa em torno do tema “Fotografia e Arquitectura”.

Inaugurou também ontem na OASRN uma exposição complementar e homónima ao livro apresentado.

Sobre o livro e o projecto MFDA-ARP

O livro Um outro olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira é o resultado do trabalho de Pós-Doutoramento de Pedro Leão Neto, Professor Auxiliar na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), com orientação de Jorge Figueira, Professor Associado do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e José Maçãs de Carvalho, Professor Auxiliar do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia e do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra. O livro está organizado em 7 capítulos ou secções principais.

Com este livro pretende-se dar início à primeira publicação do projecto de investigação MFDA-ARP, que teve início em 2015, no Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo (CEAU), unidade de I&D integrada na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, sob a coordenação científica do grupo de investigação CCRE1. MFDA-ARP situa-se na área de Arquitectura, Arte e Imagem (AAI) e tem como objectivo, entre outros, o de ajudar à internacionalização, divulgação e visibilidade dos espaços, formas, memórias e culturas da Arquitectura Portuguesa, tendo Portugal como território de estudo preferencial. No entanto, não se coloca de parte a possibilidade de incluir no estudo obras localizadas fora do país quando consideradas significativas – nomeadamente em territórios pertencentes à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, ou em antigos territórios portugueses como Macau e Goa – e em qualquer parte do mundo.

Concerne a este estudo a arquitectura situada num período temporal compreendido entre os inícios do século XX – momento em que surgem as primeiras obras que denotam influência do moderno ou modernismo – até ao presente. Interessam-nos edifícios e programas de Arquitectura Portuguesa considerados relevantes no universo da prática e disciplina da arquitectura, não apenas do Moderno, mas também do Pós-Moderno3 que naturalmente inclui a Arquitectura Contemporânea e as suas novas tendências. Interessa-nos uma pós-modernidade que é crítica e não amnésica, isto é, uma pós-modernidade que pode estar ligada ao moderno de diferentes maneiras e em maior ou menor grau.

 

VISUAL SPACES OF CHANGE NO CI.CLO BIENAL FOTOGRAFIA DO PORTO 2019

O Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019 é uma plataforma de criação, debate e reflexão; um Ci.CLO que celebra a prática artística e se renova a cada dois anos e o seu programa em 2019 contou com a colaboração do Visual Spaces of Change que implementou em diversos espaços públicos e de uso colectivo projectos de Fotografia Contemporânea, procurando gerar uma dinâmica de interacção com exposições em organizações culturais, associações profissionais, universidades e outros espaços alternativos de produção artística.Durante o período oficial do Ci.CLO 2019, os destaques são as exposições nas estações de metro de S. Bento e dos Aliados, a exposição na Ordem dos Arquitectos e na Biblioteca Municipal Almeida Garrett. O material que se pretende levar ao público através dos projectos fotográficos contemporâneos expostos nestes espaços constituem 'narrativas visuais' que interferem intencionalmente no território, provocando encontros reais e virtuais entre paisagens contrastantes da AMP, oferecendo ângulos e perspectivas sobre o território de modo a dar um novo olhar ao seu património cultural, ambiental e arquitectónico.


O Ci.CLO 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info: https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

On The Surface: Photography on Architecture 2019

 

ON THE SURFACE: PHOTOGRAPHY ON ARCHITECTURE

5TH INTERNATIONAL CONFERENCE
VISUAL SPACES OF CHANGE: UNVEILING THE PUBLICNESS
OF URBAN SPACE


The 5th International Conference ON THE SURFACE Photography on Architecture took place on the past 31st of May at MAAT (Museum of Art, Architecture and Technology) .

The program of the conference consisted of three round tables in which photography was explored as a significant instrument of research to build innovative and critical visions on architecture as a broad field of knowledge operating within larger systems, with cultural, artistic, technical and historical dimensions. The main focus of the 5th edition of On The Surface was to question how different dimensions of the public sphere can be significantly understood or refracted through different lenses and perspectives. At the heart of this debate was the contemporary discussion that the city's image is itself modified within the actual process of change according to specific sensory and cognitive conditions, influencing the readability of public space and the imagination of the public sphere. At this conference these and other interrelations were debated and explored to infer how they can establish new spatial connections in expanded territories of cosmopolitan interaction. Within this broader discussion, each roundtable addressed the following issues, among other issues posed by invited authors.

Also, during the Conference, all participants were given the opportunity to visit the exhibition “Fiction and Fabrication: Photography of Architecture After the Digital Turn”, on display at MAAT until the 19th of August 2019. This exhibition is curated by Pedro Gadanho (who gave a guided tour of the exbition) and Sérgio Fazenda Rodrigues.

OPENING SESSION
Pedro Gadanho - MAAT
José Miguel Rodrigues - FAUP
Olívia da Silva - ESMAD
Pedro Leão Neto -FAUP

OPENING KEYNOTE SPEAKER
Marco Iuliano

PANEL #1
Invited guest speaker - Beate Guttschow
Moderator - Pedro Leão Neto

PANEL #2

Invited guest speaker - Bas Princen
Moderator - Iñaki Berguera

PANEL #3

Moderator - Pedro Gadanho

CLOSING KEYNOTE SPEAKER

Paolo Rosselli

More info:
MAAT
On The Surface

 

Lançamento do Livro "Um Outro Olhar Sobre Obras de Álvaro Siza Vieira" - OASRN / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

 
IMG_9850.jpg

Lançamento do Livro "Um outro olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira" - OASRN / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

Enquadrado na programação do Visual Spaces of Change no Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019, será hoje lançado na sede da OASRN o livro Um outro olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira, contando com a presença de Jorge Figueira, José Maças de Carvalho, Cláudia Costa Santos e Pedro Leão Neto.
A abertura da sessão estará a cargo de Cláudia Costa Santos, Presidente do Conselho Directivo Regional Norte da Ordem dos Arquitectos e a apresentação do livro estará a cargo de Jorge Figueira, Professor Associado do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e José Maças de Carvalho, Professor Auxiliar do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia e do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, orientadores do trabalho de pós-doutoramento que deu origem ao livro de Pedro Leão Neto, Professor Auxiliar na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. O autor irá explicar o enquadramento do livro Um outro olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira no projecto Visual Spaces of Change e Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019, abrindo a mesa para uma  conversa em torno do tema “Fotografia e Arquitectura”.

Em simultâneo inaugurará uma exposição complementar e homónima. 

Sede da Secção Regional Norte da Ordem dos Arquitectos
(Rua Álvares Cabral, 144 – Porto)

Sobre o livro e o projecto MFDA-ARP

O livro Um outro olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira é o resultado do trabalho de Pós-Doutoramento de Pedro Leão Neto, Professor Auxiliar na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), com orientação de Jorge Figueira, Professor Associado do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e José Maçãs de Carvalho, Professor Auxiliar do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia e do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra. O livro está organizado em 7 capítulos ou secções principais.

Com este livro pretende-se dar início à primeira publicação do projecto de investigação MFDA-ARP, que teve início em 2015, no Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo (CEAU), unidade de I&D integrada na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, sob a coordenação científica do grupo de investigação CCRE1. MFDA-ARP situa-se na área de Arquitectura, Arte e Imagem (AAI) e tem como objectivo, entre outros, o de ajudar à internacionalização, divulgação e visibilidade dos espaços, formas, memórias e culturas da Arquitectura Portuguesa, tendo Portugal como território de estudo preferencial. No entanto, não se coloca de parte a possibilidade de incluir no estudo obras localizadas fora do país quando consideradas significativas – nomeadamente em territórios pertencentes à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, ou em antigos territórios portugueses como Macau e Goa – e em qualquer parte do mundo.

Concerne a este estudo a arquitectura situada num período temporal compreendido entre os inícios do século XX – momento em que surgem as primeiras obras que denotam influência do moderno ou modernismo – até ao presente. Interessam-nos edifícios e programas de Arquitectura Portuguesa considerados relevantes no universo da prática e disciplina da arquitectura, não apenas do Moderno, mas também do Pós-Moderno3 que naturalmente inclui a Arquitectura Contemporânea e as suas novas tendências. Interessa-nos uma pós-modernidade que é crítica e não amnésica, isto é, uma pós-modernidade que pode estar ligada ao moderno de diferentes maneiras e em maior ou menor grau.

 

VISUAL SPACES OF CHANGE NO CI.CLO BIENAL FOTOGRAFIA DO PORTO 2019

O Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019 é uma plataforma de criação, debate e reflexão; um Ci.CLO que celebra a prática artística e se renova a cada dois anos e o seu programa em 2019 contou com a colaboração do Visual Spaces of Change que implementou em diversos espaços públicos e de uso colectivo projectos de Fotografia Contemporânea, procurando gerar uma dinâmica de interacção com exposições em organizações culturais, associações profissionais, universidades e outros espaços alternativos de produção artística.Durante o período oficial do Ci.CLO 2019, os destaques são as exposições nas estações de metro de S. Bento e dos Aliados, a exposição na Ordem dos Arquitectos e na Biblioteca Municipal Almeida Garrett. O material que se pretende levar ao público através dos projectos fotográficos contemporâneos expostos nestes espaços constituem 'narrativas visuais' que interferem intencionalmente no território, provocando encontros reais e virtuais entre paisagens contrastantes da AMP, oferecendo ângulos e perspectivas sobre o território de modo a dar um novo olhar ao seu património cultural, ambiental e arquitectónico.


O Ci.CLO 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info: https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

Lançamento do Livro "Um Outro Olhar Sobre Obras de Álvaro Siza Vieira"/ OASRN / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

 
Banner Apresentação Scopio.jpg
 

Lançamento do Livro "Um Outro Olhar Sobre Obras de Álvaro Siza Vieira"/ OASRN / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

6 de Junho, 18h

Sede da Secção Regional Norte da Ordem dos Arquitectos
(Rua Álvares Cabral, 144 – Porto)

 

Enquadrado na programação do Visual Spaces of Change no Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019, será lançado na sede da OASRN o livro Um Outro Olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira, contando com a presença de Jorge Figueira, José Maças de Carvalho, Cláudia Costa Santos e Pedro Leão Neto.
A abertura da sessão estará a cargo de Cláudia Costa Santos, Presidente do Conselho Directivo Regional Norte da Ordem dos Arquitectos e a apresentação do livro estará a cargo de Jorge Figueira, Professor Associado do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e José Maças de Carvalho, Professor Auxiliar do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia e do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, orientadores do trabalho de pós-doutoramento que deu origem ao livro de Pedro Leão Neto, Professor Auxiliar na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. O autor irá explicar o enquadramento do livro Um Outro Olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira no projecto Visual Spaces of Change e Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019, abrindo a mesa para uma  conversa em torno do tema “Fotografia e Arquitectura”.

Em simultâneo inaugurará uma exposição complementar e homónima. 

Sobre o livro e o projecto MFDA-ARP

O livro Um outro olhar sobre Obras de Álvaro Siza Vieira é o resultado do trabalho de Pós-Doutoramento de Pedro Leão Neto, Professor Auxiliar na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), com orientação de Jorge Figueira, Professor Associado do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e José Maçãs de Carvalho, Professor Auxiliar do Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia e do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra. O livro está organizado em 7 capítulos ou secções principais.

Com este livro pretende-se dar início à primeira publicação do projecto de investigação MFDA-ARP, que teve início em 2015, no Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo (CEAU), unidade de I&D integrada na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, sob a coordenação científica do grupo de investigação CCRE1. MFDA-ARP situa-se na área de Arquitectura, Arte e Imagem (AAI) e tem como objectivo, entre outros, o de ajudar à internacionalização, divulgação e visibilidade dos espaços, formas, memórias e culturas da Arquitectura Portuguesa, tendo Portugal como território de estudo preferencial. No entanto, não se coloca de parte a possibilidade de incluir no estudo obras localizadas fora do país quando consideradas significativas – nomeadamente em territórios pertencentes à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, ou em antigos territórios portugueses como Macau e Goa – e em qualquer parte do mundo.

Concerne a este estudo a arquitectura situada num período temporal compreendido entre os inícios do século XX – momento em que surgem as primeiras obras que denotam influência do moderno ou modernismo – até ao presente. Interessam-nos edifícios e programas de Arquitectura Portuguesa considerados relevantes no universo da prática e disciplina da arquitectura, não apenas do Moderno, mas também do Pós-Moderno3 que naturalmente inclui a Arquitectura Contemporânea e as suas novas tendências. Interessa-nos uma pós-modernidade que é crítica e não amnésica, isto é, uma pós-modernidade que pode estar ligada ao moderno de diferentes maneiras e em maior ou menor grau.

 

VISUAL SPACES OF CHANGE NO CI.CLO BIENAL FOTOGRAFIA DO PORTO 2019

O Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019 é uma plataforma de criação, debate e reflexão; um Ci.CLO que celebra a prática artística e se renova a cada dois anos e o seu programa em 2019 contou com a colaboração do Visual Spaces of Change que implementou em diversos espaços públicos e de uso colectivo projectos de Fotografia Contemporânea, procurando gerar uma dinâmica de interacção com exposições em organizações culturais, associações profissionais, universidades e outros espaços alternativos de produção artística.Durante o período oficial do Ci.CLO 2019, os destaques são as exposições nas estações de metro de S. Bento e dos Aliados, a exposição na Ordem dos Arquitectos e na Biblioteca Municipal Almeida Garrett. O material que se pretende levar ao público através dos projectos fotográficos contemporâneos expostos nestes espaços constituem 'narrativas visuais' que interferem intencionalmente no território, provocando encontros reais e virtuais entre paisagens contrastantes da AMP, oferecendo ângulos e perspectivas sobre o território de modo a dar um novo olhar ao seu património cultural, ambiental e arquitectónico.


O Ci.CLO 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info: https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

Inauguração do Ci.Clo Bienal Fotografia do Porto

 

Inauguração do Ci.Clo Bienal Fotografia do Porto 2019

Inaugurou no passado dia 16 de maio a primeira edição do Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto. A cerimónia de inauguração foi presidida por Virgílio Ferreira e teve lugar nos Jardins do Palácio de Cristal. Esta apresentação seguiu-se de uma visita guiada às exposições inseridas no Ci.CLO que se encontram presentes nos Jardins do Palácio de Cristal.

O Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto, conta com um conjunto de exposições do VSC cuja curadoria ficou a cargo de Pedro Leão Neto e resultam da vontade de colaboração entre o projecto Visual Spaces of Change (VSC) e o Ci.CLO.

O Visual Spaces of Change (VSC), projeto de investigação transdisciplinar com uma componente significativa da Fotografia Contemporânea, combinada com pesquisa complementar em Sintaxe Espacial e Tecnologias da Informação, marcará presença no Ci.Clo 2019.

A colaboração entre o VSC e o Ci.Clo concretiza-se através da operacionalização de um projeto curatorial associado a um conjunto de atividades que cruzam os universos da fotografia e editorial em duas vertentes complementares: (i) Exibição de projectos de Fotografia Contemporânea (CPP) comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia em diversos espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto (AMP), e (ii) Mostra de publicações alternativas para a divulgação de autores e obras com particular enfoque na Fotografia de Arquitectura, Cidade e Território.

O Ci.Clo 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info:https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

Exposições Visual Spaces of Change / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

 

Exposições Visual Spaces of Change /
Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

Já se encontram em exibição nas estações de Metro do Porto da Avenida dos Aliados e de São Bento um conjunto de projectos de Fotografia Contemporânea com particular enfoque nas temáticas da Arquitectura, Cidade e Território, comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia.

Esta exposição, que conta com a curadoria de Pedro Leão Neto, resulta da vontade de colaboração entre o projecto Visual Spaces of Change (VSC) e o Ci.Clo Bienal Fotografia do Porto 2019, tendo em vista o estímulo do pensamento crítico sobre as temáticas da Arquitectura, Cidade e Território através da realização de exposições de Fotografia Contemporânea em espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto.

O Visual Spaces of Change (VSC), projeto de investigação transdisciplinar com uma componente significativa da Fotografia Contemporânea, combinada com pesquisa complementar em Sintaxe Espacial e Tecnologias da Informação, marcará presença no Ci.Clo 2019.

A colaboração entre o VSC e o Ci.Clo concretiza-se através da operacionalização de um projeto curatorial associado a um conjunto de atividades que cruzam os universos da fotografia e editorial em duas vertentes complementares: (i) Exibição de projectos de Fotografia Contemporânea (CPP) comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia em diversos espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto (AMP), e (ii) Mostra de publicações alternativas para a divulgação de autores e obras com particular enfoque na Fotografia de Arquitectura, Cidade e Território.

O Ci.Clo 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info:https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

Lançamento da Contrast | Dia da ESMAD 2019

 
 

Lançamento da Contrast | Dia da ESMAD 2019

Celebrou-se no passado dia 27 de maio o aniversário da Escola Superior de Media Artes e Design (ESMAD). O evento teve lugar no Auditório Luís Soares e presidido pela presidente da Escola, Olívia Marques da Silva e pelo vice-presidente do Instituto Politécnico do Porto (IPP), José Barros Oliveira.

Após a Sessão de Abertura, seguiu-se a apresentação da Contrast, uma publicação que nasce a partir da parceria entre a ESMAD e a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP). A revista Contrast foi apresentada por Pedro Leão Neto, regente das disciplinas de Comunicação, Fotografia e Multimédia do 2º ciclo (C.F.M.) e CAAD 1º ciclo na FAUP e Luís Ribeiro, docente de várias disciplinas de Fotografia na ESMAD.

Após a apresentação da Contrast, seguiu-se o anúncio do lançamento do livro 700x7, o qual ilustra 7 ensaios fotográficos que refletem a visão distinta de 7 fotógrafos sobre o Mosteiro de Santa Clara em Vila do Conde. Esta publicação foi apresentada por Adriana Baptista, docente na ESMAD e Marta Miranda, chefe de Divisão de Cultura, Turismo e Comunicação da Câmara Municipal de Vila do Conde.

Este ciclo de apresentações encerrou com um debate sobre fotografia e arquitectura conduzido por Ângela Ferreira, docente na ESMAD, que contou com as participações e intervenções de Álvaro Domingues, geógrafo e docente na FAUP, José Maças de Carvalho, docente no Departamento de Arquitetura (DARQ) e no Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, Sérgio Rolando, docente na ESMAD, Miguel Proença, fotógrafo baseado em Londres e Mestre em Fotografia Documental pela University of South Wales e Marta Ferreira, fotógrafa e Mestre em Comunicação Audiovisual na especialização de Fotografia Documental pela ESMAE / ESMAD.

SOBRE A CONTRAST
A publicação CONTRAST é o resultado de uma parceria estabelecida entre a FAUP /CEAU / CCRE e a ESMAD / uniMAD e vem dar continuidade e uma nova dimensão à secção com o mesmo nome, que tinha vindo a ser publicada na revista internacional de fotografia scopio MagazineCONTRAST vem enriquecer e fazer evoluir o trabalho editorial dessa secção da revista, assumindo-se agora como um espaço independente, integrando diversos editores ligados ao ensino da fotografia. Um dos seus principais intuitos é o de reunir um conjunto diversificado de textos de reflexão e análise crítica, sobre projectos fotográficos realizados em contexto de ensino e investigação, representativos das principais instituições do ensino superior português ligadas à docência da fotografia e integrando também unidades curriculares em que a fotografia surge no âmbito de outras áreas disciplinares como, por exemplo Arquitectura, Design e Multimedia e Estudos Artísticos, entre outras.
Esta nova publicação, com ISSN próprio, oferece assim um conjunto alargado de textos escritos por professores e investigadores, sobre as suas estratégias pedagógicas e sobre  uma seleção de projetos fotográficos desenvolvidos por estudantes, que é da responsabilidade de cada instituição ou unidade curricular. Perante a inexistência de uma publicação com estas caraterísticas, acreditamos que este projecto editorial vem preencher uma importante lacuna no universo do ensino da fotografia em Portugal. 
CONSTRAST
 pretende assim contribuir para o desenvolvimento e divulgação da  fotografia enquanto área do conhecimento. Acreditamos que esta publicação irá possibilitar uma melhor perceção sobre os diferentes sistemas e objetivos educacionais em torno da fotografia, no contexto do ensino superior em Portugal, bem como dos seus resultados. Por todas estas razões, acreditamos que a CONTRAST ajudará a criar sinergias entre diversss escolas de fotografia e a trazer maior visibilidade a estas instituições, bem como aos projetos dos seus alunos finalistas, divulgando-os a nível nacional e internacional

 

Lançamento de "Contrast" | Dia da ESMAD 27 de maio

 
 

Lançamento “Contrast” | Dia da ESMAD

dia 27 de maio | Auditório Luís Soares

No dia 27 de maio celebra-se o aniversário da Escola Superior de Media Artes e Design (ESMAD). O evento tem início marcado para as 14.30h no Auditório Luís Soares e será presidido pela presidente da Escola, Olívia Marques da Silva.

A partir das 14.30h decorre a Sessão de Abertura, seguido do lançamento do livro 700x7 do Mosteiro de Santa Clara e da apresentação da Publicação Contrast, uma parceria com a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto.

SOBRE CONTRAST
A publicação CONTRAST é o resultado de uma parceria estabelecida entre a FAUP /CEAU / CCRE e a ESMAD / uniMAD e vem dar continuidade e uma nova dimensão à secção com o mesmo nome, que tinha vindo a ser publicada na revista internacional de fotografia scopio MagazineCONTRAST vem enriquecer e fazer evoluir o trabalho editorial dessa secção da revista, assumindo-se agora como um espaço independente, integrando diversos editores ligados ao ensino da fotografia. Um dos seus principais intuitos é o de reunir um conjunto diversificado de textos de reflexão e análise crítica, sobre projectos fotográficos realizados em contexto de ensino e investigação, representativos das principais instituições do ensino superior português ligadas à docência da fotografia e integrando também unidades curriculares em que a fotografia surge no âmbito de outras áreas disciplinares como, por exemplo Arquitectura, Design e Multimedia e Estudos Artísticos, entre outras.
Esta nova publicação, com ISSN próprio, oferece assim um conjunto alargado de textos escritos por professores e investigadores, sobre as suas estratégias pedagógicas e sobre  uma seleção de projetos fotográficos desenvolvidos por estudantes, que é da responsabilidade de cada instituição ou unidade curricular. Perante a inexistência de uma publicação com estas caraterísticas, acreditamos que este projecto editorial vem preencher uma importante lacuna no universo do ensino da fotografia em Portugal. 
CONSTRAST
 pretende assim contribuir para o desenvolvimento e divulgação da  fotografia enquanto área do conhecimento. Acreditamos que esta publicação irá possibilitar uma melhor perceção sobre os diferentes sistemas e objetivos educacionais em torno da fotografia, no contexto do ensino superior em Portugal, bem como dos seus resultados. Por todas estas razões, acreditamos que a CONTRAST ajudará a criar sinergias entre diversss escolas de fotografia e a trazer maior visibilidade a estas instituições, bem como aos projetos dos seus alunos finalistas, divulgando-os a nível nacional e internacional

 

On The Surface: Photography on Architecture | 31st may on MAAT

 
BANNER NEWS SCOPIO corrigido.png
 

ON THE SURFACE: PHOTOGRAPHY ON ARCHITECTURE

5TH INTERNATIONAL CONFERENCE
VISUAL SPACES OF CHANGE: UNVEILING THE PUBLICNESS
OF URBAN SPACE

31ST MAY 2019 AT MAAT


The 5th International Conference ON THE SURFACE Photography on Architecture, happens next week on the 31st May 2019 at MAAT (Museum of Art, Architecture and Technology) .

The program of the conference consists of three round tables in which photography is explored as a significant instrument of research to build innovative and critical visions on architecture as a broad field of knowledge operating within larger systems, with cultural, artistic, technical and historical dimensions. The main focus of the 5th edition on the public condition of urban space, is to question how different dimensions of the public sphere can be significantly understood or refracted through different lenses and perspectives. At the heart of this debate is the contemporary discussion that the city's image is itself modified within the actual process of change according to specific sensory and cognitive conditions, influencing the readability of public space and the imagination of the public sphere. At this conference these and other interrelations will be debated and explored to infer how they can establish new spatial connections in expanded territories of cosmopolitan interaction. Within this broader discussion, each roundtable will address the following issues, among other issues posed by invited authors.

OPENING SESSION
Pedro Gadanho - MAAT
José Miguel Rodrigues - FAUP
Olívia da Silva - ESMAD
Pedro Leão Neto -FAUP

OPENING KEYNOTE SPEAKER
Marco Iuliano

PANEL #1
Invited guest speaker - Beate Guttschow
Moderator - Pedro Leão Neto

PANEL #2

Invited guest speaker - Bas Princen
Moderator - Iñaki Berguera

PANEL #3

Invited guest speaker - Gloria Moure
Moderator - Pedro Gadanho

CLOSING KEYNOTE SPEAKER

Paolo Rosselli

More info:
MAAT
On The Surface

 

Apresentação do projecto VSC / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

 
DSCF6153.jpg

Apresentação do projecto VSC /
Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

Na próxima quinta-feira, dia 23 de maio, terá lugar às 18h na Biblioteca Municipal Almeida Garrett a apresentação do projecto de investigação VISUAL SPACES OF CHANGE. Esta apresentação irá ainda integrar uma visita guiada à mostra de publicações alternativas de autores e obras com particular enfoque na Fotografia de Arquitectura, Cidade e Território e à exposição dos trabalhos de Fotografia Contemporânea VSC.

Esta exposição, que conta com a curadoria de Pedro Leão Neto, resulta da vontade de colaboração entre o projecto Visual Spaces of Change (VSC) e o Ci.Clo Bienal Fotografia do Porto 2019.

O Visual Spaces of Change (VSC), projeto de investigação transdisciplinar com uma componente significativa da Fotografia Contemporânea, combinada com pesquisa complementar em Sintaxe Espacial e Tecnologias da Informação, marcará presença no Ci.Clo 2019.

A colaboração entre o VSC e o Ci.Clo concretiza-se através da operacionalização de um projeto curatorial associado a um conjunto de atividades que cruzam os universos da fotografia e editorial em duas vertentes complementares: (i) Exibição de projectos de Fotografia Contemporânea (CPP) comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia em diversos espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto (AMP), e (ii) Mostra de publicações alternativas para a divulgação de autores e obras com particular enfoque na Fotografia de Arquitectura, Cidade e Território.

O Ci.Clo 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info:https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

Sessão de apresentação do projecto VSC / Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

 

Sessão de apresentação do projecto VSC /
Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto 2019

Na passada quinta-feira, dia 23 de maio, teve lugar na Biblioteca Municipal Almeida Garrett a apresentação do projecto de investigação VISUAL SPACES OF CHANGE. Esta apresentação seguiu-se de uma visita guiada à mostra de publicações alternativas de autores e obras com particular enfoque na Fotografia de Arquitectura, Cidade e Território e à exposição dos trabalhos de Fotografia Contemporânea VSC, após a qual teve lugar uma breve conversa com alguns dos artistas envolvidos.

Esta exposição, que conta com a curadoria de Pedro Leão Neto, resulta da vontade de colaboração entre o projecto Visual Spaces of Change (VSC) e o Ci.Clo Bienal Fotografia do Porto 2019.

O Visual Spaces of Change (VSC), projeto de investigação transdisciplinar com uma componente significativa da Fotografia Contemporânea, combinada com pesquisa complementar em Sintaxe Espacial e Tecnologias da Informação, marcará presença no Ci.Clo 2019.

A colaboração entre o VSC e o Ci.Clo concretiza-se através da operacionalização de um projeto curatorial associado a um conjunto de atividades que cruzam os universos da fotografia e editorial em duas vertentes complementares: (i) Exibição de projectos de Fotografia Contemporânea (CPP) comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia em diversos espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto (AMP), e (ii) Mostra de publicações alternativas para a divulgação de autores e obras com particular enfoque na Fotografia de Arquitectura, Cidade e Território.

O Ci.Clo 2019 decorre entre os dias 16 de maio e 2 de julho.

Mais info:https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/vsc/

 

PROGRAMA DE AULAS ABERTAS À CIDADE – REITORIA DA U. PORTO Aula Aberta "Cidade e Cinema: Uma relação projetada" com Humberto Kzure

 
banner_humberto_kzure.jpg

PROGRAMA DE AULAS ABERTAS À CIDADE – REITORIA DA U. PORTO

AULA ABERTA | DEBATES ARQUITETURA, ARTE, IMAGEM (AAI) “CIDADE E CINEMA: UMA RELAÇÃO PROJETADA“ COM HUMBERTO KZURE-CERQUERA


21 Junho | 18h00 – Edifício da Reitoria, Casa Comum – U. Porto
Aula aberta "Cidade e Cinema: Uma Relação Projetada" com Humberto Kzure-Cerquera


Irá realizar-se na Casa Comum da Reitoria da U. Porto, dia 21 de Junho, pelas 18h00, inserido no seu programa cultural de aulas abertas à comunidade, mais uma sessão do ciclo Debates AAI intitulado “Cidade e Cinema: Uma Relação Projetada”, integrado na unidade curricular de Comunicação, Fotografia e Multimédia (CFM) do 4º e 5º ano e CAAD do 3ºano da FAUP, contando com a presença de Humberto Kzure, arquiteto e urbanista.. 
A aula aberta conta também com a presença de Pedro Leão Neto, coordenador do projeto Visual Spaces of Change.


”A relação entre a cidade e o cinema, a partir de uma dimensão sociocultural, possibilita inúmeras reflexões e diferentes percepções sobre os elementos da forma e dos modos de vida urbana. Tanto arquitetos quanto realizadores cinematográficos, através dos fundamentos da fotografia ou das imagens fílmicas, por exemplo, desenvolvem um olhar particular, uma seleção e um filtro capaz de modificar a visão comum dos lugares e das coisas, ao mesmo tempo em que possibilita ou induz outros olhares e outras ponderações sobre o urbano. Neste sentido, identificar e analisar os focos das representações cinematográficas do espaço urbano, que os próprios filmes revelam, ajudam a construir e reforçar culturalmente a natureza dinâmica e contraditória da cidade contemporânea - seu caráter complexo e heterogêneo, repleto de valor simbólico, identidade e memória. As imagens fílmicas constituem, portanto, suporte e documento que permitem discutir as representações visuais do urbano e correlacioná- las com a percepção individual e/ou coletiva. Apesar de o cinema estar próximo da experiência do espaço e do tempo “real”, é representação inspirada e enviesada por ideologias e sentimentos do público e dos seus realizadores. Afinal, para os indivíduos do meio urbano, com acesso mais frequente aos filmes, eque possuem a cidade “real” como elemento comparativo, a cidade de cada filme se interliga com outrosespaços vividos, simulados ou percebidos por cada um, inclusive por arquitetos e urbanistas. A discussão sobre cidade e cinema tem-se mostrado, assim, um campo fértil para a construção de uma matriz teórica e conceitual acerca de inúmeros fenômenos urbanos que se manifestam na sociedade vigente. Sobre isso, muitos investigadores têm dedicado esforços para extrair das películas significados que surgem antes da própria materialização de imagens. Como matéria da estética e da ética, a representação cinematográfica é, como afirma Jacques Aumont (2004), uma “semiologia da realidade” na qual está inscrita a cidade. Diante desse contexto, o indivíduo que experimenta a vida urbana desenvolve ao longo da sua existência uma percepção particular, às vezes intuitiva, às vezes reflexiva, mas sempre subjetiva sobre o território que o circunscreve no tempo e no espaço. Essa condição humana, acompanhada de múltiplos significados e de variadas interpretações, pressupõe que toda e qualquer manifestação da cultura implica na existência de “lugares reconhecíveis” impregnados em sua materialidade por representações. Uma pintura, uma fotografia ou um filme são, entre tantos, veículos que aguçam o imaginário humano. São, por assim dizer, instrumentos capazes de codificar ou subverter meandros contidos na experiência visual do sujeito.” - Humberto Kzure-Cerquera

A Entrada é gratuita.


Enquadramento
A organização destes debates é da responsabilidade da organização do Centro de Comunicação e Representação Espacial (CCRE / CEAU / FAUP) e o Laboratório de Arquitectura, Arte, Imagem e Inovação (AAi2 Lab), no âmbito do projecto VSC. 
O grupo de investigação CCRE – Centro de Comunicação e Representação Espacial – tem desenvolvido uma série de actividades de índole pedagógica, documental e de investigação relacionando Arquitectura e Arte.
O objectivo geral destas actividades tem sido o de promover uma ampla reflexão sobre o contributo das imagens na compreensão da realidade e na construção de imaginários, entre o documento e a ficção, entre a reprodução e a manipulação, entre o analógico e o digital.
Estas actividades têm vindo a integrar diversas acções ligadas ao universo da imagem contemporânea, mais especificamente à fotografia, permitindo também a participação de grupos e cidadãos exteriores à academia, abrindo desta forma as universidades à sociedade civil e a outras instituições.
No universo da Imagem, a Fotografia é objecto de particular interesse, sendo explorada e analisada de forma crítica como um instrumento de registo e investigação numa perspectiva Inquisitiva, Curatorial e Comunicativa. O espaço privilegiado para esse registo e investigação fotográfica é o da Arquitectura, entendida como um universo amplo que integra simultaneamente os níveis macro e micro da transformação do Território e da Cidade e as suas múltiplas Vivências. 
Com o apoio institucional da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), da Reitoria da U. Porto e da scopio Editions, este 2º Ciclo de debates AAI – Arquitectura, Arte e Imagem estará muito ligado à exploração da fotografia como instrumento de reflexão sobre a transformação do espaço público. 


Biografias
Humberto Kzure-Cerquera é Arquiteto e Urbanista, Mestre em Planejamento Urbano e Regional pelo IPPUR/UFRJ, Doutor em Urbanismo pelo PROURB/FAU/UFRJ e BAUHAUS Universität Weimar e Professor dessas áreas do conhecimento no Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
Atualmente, desenvolve um pós-doutoramento em três universidades europeias: Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo – CEAU | Faculdade de Arquitectura – Universidade do Porto – FAUP | Portugal, com o Prof. Álvaro Domingues, no Centre de Recherches em Histoire Internationationale et Atlantique - CRHIA, Université de La Rochelle, com o Prof. Laurent Vidale Interdisciplinary Centre for Urban Culture and Public Space, Faculty of Architecture and Spatial Planning – Technische Universität Wien, com a Profa.Sabine Knierbein.
Além de trabalhos acadêmicos, é detentor de prêmios e distinções, tais como: Morar Carioca; Prêmio CAIXA de Habitação Social; Ruas da Cidade - Belo Horizonte; Revitalização do Centro Histórico de Cuiabá/MT - 2000; Projeto de Estruturação Urbana para a XVIII Região Administrativa do Rio de Janeiro; Favela-Bairro; Urbanização da Área Central de Goiânia; Prêmio Contribuição para a Arquitetura Brasileira para a Sede da Procuradoria Regional da República - IAB/RS; Corredor Ecológico, Turístico e Cultural Barão de Mauá - IAB/RJ; Revitalização do Centro Histórico de Sumaré/SP; Projeto Urbanístico para a região do Largo da Batata - IAB/SP; Circo Voador – IAB/RJ.
Foi consultor dos EIA/RIMA (Ordenamento Territorial para Comunidades Tradicionais) em áreas próximas às hidrelétricas do Rio Kwanza – Angola e em Belo Monte no Médio Rio Xingu – Pará | Brasil.
Expôs na Bienal de Veneza em 2002, na Mostra Internacional Rio Arquitetura e, por três vezes, na Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, além de ter recebido Menção Honrosa na Bienal de Lima – Peru, em 2004.
Além dessas atividades, possui formação profissional em Cinema, Fotografia, Teatro e Cenografia. Com a cineasta portuguesa Teresa Prata está produzindo o documentário “A Cidade de Portas”, sobre a cidade como fronteira do pensamento do Prof- Arquiteto e Urbanista Nuno Portas.


Pedro Leão Neto (CCRE, AAI2 Lab)
Arquitecto pela FAUP (1992) onde actualmente é regente de Comunicação, Fotografia e Multimédia do 2º ciclo, é coordenador do grupo de investigação CCRE, integrado no centro de I&D da FAUP, coordenador do AAI 2 Lab integrado no Centro de Competências da Universidade do Porto para a área dos media U.Porto Media Innovation Labs (MIL) e Director da Associação Cultural Cityscopio (ACC). É Editor e coordenador responsável das publicações da scopio Editions desde 2010, cujo enfoque é o da fotografia documental e artística relacionada com Arquitectura, Cidade e Território.

 

PALESTRA "SCOPIO NETWORK: FOTOGRAFIA, ARQUITECTURA E URBANISMO" no Instituto Português de Fotografia do Porto

 
Captura de ecrã 2019-04-26, às 14.31.44.png

PALESTRA "SCOPIO NETWORK: FOTOGRAFIA, ARQUITECTURA E URBANISMO": Instituto Português de Fotografia do Porto

No passado dia 24 de Abril (4ªf), teve início pelas 18h, no Instituto Português de Fotografia do Porto uma palestra de Pedro Leão Neto. Fundador da SCOPIO Network, coordenador da revista scopio e do grupo de investigação CCRE na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto – onde também é docente de fotografia e CAAD – partilhou algumas ideias em torno da criação da SCOPIO Network e do projeto Visual Spaces of Changes, discorreu sobre a imagem fotográfica enquanto instrumento de mediação e indagação da arquitectura e do espaço público, abordando também a dimensão discursiva que o média fotográfico desenvolve quando é integrado no formato de livro.

Mais informação

 

Visual Spaces of Change na Bienal de Fotografia do Porto Ciclo’19

 
 

Visual Spaces of Change na Bienal de Fotografia do Porto Ciclo’19

Visual Spaces of Change (VSC), projeto de investigação transdisciplinar com uma componente significativa da Fotografia Contemporânea, combinada com pesquisa complementar em Sintaxe Espacial e Tecnologias da Informação, marcará presença na Bienal de Fotografia do Porto Ciclo’19, de 16 de maio a 2 de julho.

Esta colaboração concretiza-se através da operacionalização de um projeto curatorial associado a um conjunto de atividades que cruzam os universos da fotografia e editorial em duas vertentes complementares: (i) Exibição de projectos de Fotografia Contemporânea (CPP) comunicados por intermédio de projecção de vídeo e fotografia em diversos espaços públicos e de uso coletivo localizados na Área Metropolitana do Porto (AMP), e (ii) Mostra de publicações alternativas para a divulgação de autores e obras com particular enfoque na Fotografia de Arquitectura, Cidade e Território.

Este programa será implementado em diversos espaços públicos e de uso coletivo, procurando gerar uma dinâmica de interacção com exposições em organizações culturais, associações profissionais, universidades e outros espaços alternativos de produção artística. Durante o período oficial da bienal em 2019, destacam-se as exibições nas Estações de Metro de S. Bento e Aliados, e a exposição na Ordem dos Arquitectos e Biblioteca Municipal Almeida Garrett. O material que se pretende trazer a público através dos projectos de fotografia contemporânea exibidos nestes espaços constituem ‘narrativas visuais’ que interferem intencionalmente com o território, provocando encontros reais e virtuais entre paisagens contrastantes da AMP, oferecendo ângulos e perspectivas sobre este território que suscitam um novo olhar sobre o seu património cultural, ambiental e arquitectónico.

As actividades propostas no âmbito desta parceria são orientadas para uma compreensão dos processos de inter-relação entre a Arquitectura, a Arte e a Imagem, identificando os pontos de articulação das dimensões éticas e estéticas destes universos. Os projectos fotográficos que se propõe instalar em diversos espaços públicos e colectivos para a realização de exposições temporárias constituem os objectos autorais através dos quais se pretende ampliar o universo do debate em torno do cruzamento de temas transversais às temáticas do projeto VSC e do Ciclo’19. Este projecto visa assim explorar de que forma a fotografia constitui um media que consegue alinhar a prática artística e a investigação académica, ao mesmo tempo que se posiciona de forma crítica perante estes universos. A estratégia proposta para promover esta aproximação pretende explorar o potencial da imagem fotográfica enquanto instrumento crítico e inquisitivo utilizado para reforçar e expandir capacidades de comunicação e interação entre agentes envolvidos em processos criativos, culturais e artísticos.

Links: 

https://www.scopionetwork.com/vsc-ciclo
https://ciclo-bienal.org/bienal-19/exposicoes/estação-de-metro-dos-aliados-e-são-bento-visual-spaces-of-change/